sexta-feira, novembro 14, 2008

Todos temos um tesourinho deprimente... ou um efeito esparregado

Um tesourinho tão deprimente, uma lembrança do passado, que esperamos que ninguém se lembre ....
O meu remonta aos anos da minha adolescência, era miúda e naturalmente, parva..
No outro dia estava a ver os prémios da MTV e quem é que aparece, quem? Quem?



É verdade, pecadora me confesso, houve uma época da minha vida que era assim meio que palerma por estes tipos... mais propriamente pelo Gary Barlow.
Eu, era daquelas miúdas avariadas que sabia as músicas de trás para a frente, e de frente para trás, as letras, as idades dos tipos, datas de nascimento, os nomes completos, os signos, se faziam o pino às segunda-feiras, se tinham cáries dentárias, etc...
Era apaixonada pelo Gary Barlow... Hoje, olho para o homem, olho novamente, e não consigo perceber...
Acho que é uma espécie de efeito esparregado, mas ao contrário...
Eu explico, até ter os meus 27 anos ODIAVA esparregado, não podia sequer cheirar, dava-me vómitos só de olhar, de um momento para o outro, e de há uns meses para cá, eu ADORO esparregado!
É daqueles acompanhamentos que se houver, eu peço, se tiver em casa, faço!
O Gary Barlow tem esse efeito em mim, mas ao contrário, hoje não lhe acho piadinha nenhuma e só me interrogo “que raio andava eu a fumar naquela altura?”

Um comentário:

Cláudia disse...

Não quero relembrar esses tempos mas a Carina e as duas Cláudias estavam perdidas por esses gajos... Bons tempos da adolescência...